Telefone: (11) 2275 6787
assessoria@liliancomunica.com.br
 

Vencedor do 13º Prêmio Barco a Vapor 2017 trata da crise de refugiados de forma poética

Home » Sala de Imprensa » Edições SM » Vencedor do 13º Prêmio Barco a Vapor 2017 trata da crise de refugiados de forma poética

O cometa é um sol que não deu certo, do recifense Tadeu Sarmento, aborda o tema por meio do olhar sensível de uma criança síria

Emanuel é um menino que vive num campo de refugiados sírios no deserto da Jordânia. Entre privações e obrigações, encontra lugar para sonhar na companhia dos amigos, como a menina Amal, por quem nutre um sentimento diferente, que não compreende muito bem. Pelo olhar sensível do protagonista, o leitor é apresentado ao drama dos refugiados sírios e acompanha os dilemas e sonhos de Emanuel em meio ao seu cotidiano sofrido e incerto.

Vencedor do 13º Prêmio Barco a Vapor 2017, O cometa é um sol que não deu certo é o primeiro livro infantil de Tadeu Sarmento, já vencedor de outros dois prêmios literários com livros adultos. Segundo ele, a inspiração para escrever a obra veio a partir da trágica imagem do menino sírio que se afogou durante a travessia do Mediterrâneo, em 2015.

A crise de refugiados, tema atual de extrema relevância, que põe em cena os efeitos dramáticos da intolerância político-religiosa e racial, é trabalhado pelo autor de modo ao mesmo tempo realista e poético, com enredo consistente e personagens empáticos. A ambientação é minuciosa: além da arquitetura e da rotina dos campos reais, especialmente o de Azraq, na Jordânia, o autor contextualiza a situação sociopolítica da região e as rotas usuais de travessia.

As ilustrações dialogam com o texto de forma harmônica e poética e o título, uma metáfora do nomadismo dos refugiados, remete à origem dos cometas, astros sempre em trânsito.

Ficha técnica
Coleção:
Barco a Vapor – Série Laranja
ISBN:
978-85-418-1875-9
Formato:
12 x 19 cm
Páginas:
120
Preço:
R$ 37,00

Sobre o autor
Tadeu Sarmento nasceu em Recife, em 1977. Já morou em Manaus e São Paulo e atualmente reside em Belo Horizonte. É autor dos romances Associação Robert Walser para sósias anônimos (Cepe, 2015), vencedor do II Prêmio Pernambuco de Literatura, e E se Deus for um de nós? (Confraria do Vento, 2016). Também escreveu a biografia CAFUCA: essa amizade nem o tempo desmonta (Confraria do Vento, 2016). Com o livro inédito de poemas Um carro capota na Lua, ganhou o Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura, em 2016.

Sobre o ilustrador
Apo Fousek nasceu em São Paulo, em 1974. É artista plástico multimídia com formação em design gráfico pela Universidade Senac. Em 2005, fez a primeira mostra individual, apresentando sua trajetória dos cinco aos trinta anos – dos desenhos da infância aos projetos de arte. Passou então a realizar exposições e a participar de coletivas em diversos países. É um artista ativista, que explora a relação dos seres humanos com a natureza, a ética com os animais, as práticas de consumo consciente e os modos de vida alternativos.

Sobre a coleção
Lançada em agosto de 2004, a Barco a Vapor é a versão brasileira de uma das mais importantes coleções de literatura infantojuvenil em língua espanhola, criada há mais de trinta anos na Espanha. Fiel ao espírito aventureiro e sonhador dos dois personagens que a inspiraram — Tom Sawyer e Huckleberry Finn, criados pelo escritor norte-americano Mark Twain —, a coleção aposta na fantasia, na imaginação e na reflexão como meios de despertar o gosto pelos livros e formar leitores capazes de compreender melhor o mundo.
Com histórias para rir e chorar, escritas e ilustradas por autores de diferentes nacionalidades, contempla grande diversidade de gêneros, temas e estilos narrativos. A Série Laranja abarca livros para leitores a partir de dez anos.

Sobre a editora
Fundada em 1937, a SM não se intitula uma empresa mas, sim, um projeto cultural e educativo com duas áreas de atuação plenamente integradas: em primeiro lugar, na elaboração e oferta de conteúdos e serviços educativos de prima excelência, sobretudo didáticos e de literatura infanto-juvenil, e, em segundo, no trabalho social realizado pela Fundação SM, que destina todos os recursos provenientes da atividade comercial da SM para melhorar a qualidade da educação e levar a docência e cultura aos setores menos favorecidos da sociedade. Focada no âmbito ibero-americano, a SM está presente em 10 países e são mais de 2.300 profissionais e voluntários se dedicando a este projeto. No Brasil, atua desde 2004.

Posted on